A questão do outro em Heidegger

por mayra vilar lins

por Benedito Nunes
“O homem que possui a linguagem é pela linguagem possuído se o discurso decai como fala numa atividade repetitiva e reflexa, parolagem ou blablablá. Ganha então a linguagem a segurança de um meio estabilizado de comunicação; não se renova, mas salta de novidade em novidade, tornando o mundo e o homem equívocos. Essa decadência da linguagem espelha a absorção do Dasein no mundo circundante do seu cotidiano. O mesmo senhorio da gente, também avesso ao traspasse da poesia na vida, à poetização da existência por um habitar o mundo como nossa residência, tem de retrairse no momento de uma tomada de decisão que mobilize os acontecimentos humanos em escala histórica. Nesse caso, o Eu, diante da abstrata figura do outro, como geração presente, recuperar-se-ia do nivelamento da gente, postandose tanto diante do passado, para recolher o que nele vivo permanece, quanto diante do que germina no futuro.”
texto na íntegra


Anúncios